O mundo de antes

Faz um tempo que não me sinto bemMas não se preocupe, não é a doençaÉ outra coisa As memórias do mundo de antes estão fugindoEsqueço como era a vida antes do março passado Sinto uma pressão muito grandeUm aperto no peitoE me pergunto se as pessoas também se sentem assim… Eu ouvi certa vez que … Continue lendo O mundo de antes

O ano em que o mundo parou

Uma rua de São Paulo vazia devido ao isolamento social

Os aviões ficaram no chãoE as pessoas em casaO ritmo da vida foi quebrado O mundo parouO mundo mudou As máscaras se tornaram uma proteçãoE o álcool gel uma necessidade Os cruzeiros ficaram em seus portosAs férias em casaCrianças sem escolaE sem a rua também Já dizem que o novo normal começouMas nada me parece … Continue lendo O ano em que o mundo parou

Mercador da morte

Presidente bolsonaro erra posição da mascara e não consegue a pr de maneira correta

O mercador que nos jogou a própria sorte. O poema a seguir apresenta fortes críticas a reabertura de estabelecimentos não essenciais, e da insensibilidade dos que pedem a reabertura destes estabelecimentos, bem como a insensibilidade do presidente que parece ignorar a dificuldade e os desafios impostos pela pandemia. Espero que para meus leitores isso não … Continue lendo Mercador da morte